A inacreditável CBN



Alexandre Garcia na última sexta-feira dia 07/10 comentou o sistema de saúde brasileiro, vejam vocês o tamanho das bobagens que foram ditas...


                Que a CBN não prima pelo rigor dos comentários nós já sabemos, o que não sabíamos é que ela perdeu também o senso entre crítica descabida e crítica preconceituosa...

                 Entre as coisas que Alexandre Garcia falou {{não acredite em mim}}:

"Estou criticando esta bobagem de "parto humanizado" será que vão deixar o pai entrar na sala cirúrgica para infectar a sala cirúrgica? O pai barbudo, cabeludo, bêbado, sei lá o quê mas enfim, vestido com poeira da rua..."

                  Não passa pela cabeça do comentarista que o pai pudesse, sei lá, ser desinfectado antes de entrar na sala cirúrgica, ou que, apresentando estado de embriaguez, fosse proibido de adentrar à sala. Muito complexo, com toda certeza, mas ele continua...

" 'Ah, mas é um parto de cócoras' tudo bem, peça para sua mulher fazer um parto de cócoras para ver o que acontece com o joelho dela, não é índia"
                  Notaram que índio não é pessoa com quem um ministro se casaria ou um comentarista?

                  Ao dizer "peça para sua mulher... não é índia", ele claramente coloca os índios em escala inferior aos atendidos pelo SUS {{o que não é novidade, a Veja acha que não há índios no Brasil}}.

                  E o nobre leitor pensa que acabou, mas pensa errado, o melhor está por vir...

"Ministério da saúde não fez só isso não, o Ministério da Saúde agora está estimulando pessoa com HIV engravidar, eu duvido que {{gente a frase é dele não vou corrigir a semântica, ok?}} o Ministério vá fazer uma cesária pela 3ª vez numa mulher com HIV e respingar sangue nele para ver o que vai acontecer"

                   Primeiro que Ministério não faz cesária. Depois que ainda que segundos antes da declaração o comentarista diz que cesária é caso raro no SUS, que o comum é o parto natural.

                    E, bem, não há nenhum caso na humanidade de médico que tenha contraído o vírus HIV fazendo um parto, seja ele normal ou cesária.

                    Mais do que isso, há 99% de chance, caso o pré-natal seja feito corretamente, do filho de uma paciente soropositiva nascer SEM o vírus HIV.
            
                     O Ministério, na pessoa de Mariângela Simão {{que conheci no EDUCAIDS}} soltou uma nota que diz, entre outras coisas:

É a segunda vez que o jornalista discrimina as pessoas que vivem com HIV/aids em suas declarações. Uma lástima e um retrocesso para o jornalismo brasileiro. A primeira vez pressupõe desinformação, a segunda é uma clara demonstração de preconceito. Com o avanço da terapia antirretroviral no Brasil, há comprovado aumento da sobrevida e melhora significativa na qualidade de vida dos soropositivos. O diagnóstico não é mais uma sentença de morte. Pelo contrário, essas pessoas hoje fazem planos, querem casar e constituir família.

            
Que você não saiba é grave, mas aceitável. Mas que um comentarista de rádio, que fala para todo Brasil e representa as organizações Globo não saiba é simplesmente inacreditável.


Links do Ocioso...

12 comentários

  1. Jaqueline says:

    Nossa q cara idiota!!!

  2. Espero que esteja se referindo ao Alexandre Garcia, rsrs

  3. Anônimo says:

    Você exagera.

    O que o Alexandre Garcia diz tem lógica. Uma coisa é um hospital particular promover esse tipo de parto, em que o paciente, PORQUE PAGA CARO, tem e exige acesso a um bom serviço. Ali parto humanizado, animalizado, com bolinhas verdes e listras amarelas, de cócoras, de ladinho, tudo funciona.

    Outra coisa bem diferente é promover, como o governo promove, algo muito bonito na teoria, mas muito perigoso na prática. O risco de infecção em hospital público é real e visível (você lê jornais, imagino). Imagine colocar um pai perto do parto?? É risco desnecessário.

    Quanto ao Alexandre ter falado de índio, você enxerga coisa onde não existe. Índio faz parto de cócoras PORQUE ESTÁ ACOSTUMADO. Nós não estamos. E quem quer parto de cócoras em hospital privado, pague por isso. No público temque funcionar o bê a bá, e que funcione bem.

    Deixe de terrorismo. A CBN não é "inacreditável". Inacreditável é você não aguentar ler uma opinião diferente da sua.

    Até mais.

    Luiz Cláudio

  4. Luiz Cláudio,

    É possível discordar sem xingar? Ok...

    Então vamos lá...

    Sua lógica é: se é de graça o serviço deve se ater ao mais básico possível, sem
    'conforto extra'?

    "PORQUE PAGA CARO, tem e exige acesso a um bom serviço" - Quem usa serviço público não pode exigir a mesma coisa?

    Meu caro Luiz Cláudio parto humanizado não tem nada a ver com o que disse o caríssimo Alexandre Garcia, você pode ler mais sobre o assunto aqui ó:

    http://www.objetivandodisponibilizar.com.br/?p=2333

    E quando quiser discordar será sempre bem vindo, mas prefira argumentos ao invés de gritos, pq senão fica parecendo que vc não tem o que dizer e pega mal...

  5. Anônimo says:

    Você está exagerando com essas críticas

    está sendo mais um que vive a cultura do coitadismo. Todo e qualquer comentário feito que coloque o nome de alguma doença ou de alguma etnia no meio automaticamente torna-se preconceito. É o tipo de gente como vc que faz com que o Brasil combata preconceito gerando mais preconceito. Bons eram os tempos em que se podia falar de qualquer raça, branca, indigena, negra, amarela, sem ser preconceituoso e sem que alguém como você viesse e começasse a fazer comentários do tipo "bem se ve que ele não casaria com uma índia"
    Ele não estava sendo preconceituoso, estava exemplificando, considerando que é assim que muitas das que vivem na mata dão a luz.

  6. Anônimo says:

    Resposta à resposta e às perguntas do "Imprença",

    "Sua lógica é: se é de graça o serviço deve se ater ao mais básico possível, sem
    'conforto extra'?"

    Sim... pois se na nossa realidade há infecção por muito menos, precisa-se, em primeiro lugar, resolver as condições sanitárias. Quando não houver registro mais desse tipo de problemas, pode-se pensar em parto humanizado.

    Há alguns dias o Butantã pegou fogo. É um absurdo que, em pleno século XXI, um prédio pegue fogo por curto-circuito. Mas no Brasil isso ocorre. Imagine um hipotético debate sobre uma iluminação mais "maneira" no Butantã. Pois é. Você quer um parto mais maneiro! Mas você está no Brasil, meu chapa. Cada problema com sua solução. Em ordem de chegada!! Se não vira balbúrdia.

    "Quem usa serviço público não pode exigir a mesma coisa?"

    Não, pelos motivos que já expus.


    "E quando quiser discordar será sempre bem vindo, mas prefira argumentos ao invés de gritos, pq senão fica parecendo que vc não tem o que dizer e pega mal..."

    Novamente você prova que enxerga coisas onde não existe. Onde eu xinguei. Não confunda contundência com xingamento. Falei que achava inacreditável você não encarar uma opinião diferente e chamei de terrorismo o que você faz com Alexandre Garcia. E mantenho minha opinião. Ainda sem xingar, reparou?

    Até mais.

    Luiz Cláudio

  7. Luiz,

    Quem usa serviço público deveria ter direito ao mesmo serviço oferecido por um hospital quando o assunto é parto, operação e humanização do serviço público. Quem diz isso é a constituição do teu país, não eu.

    O que é que parto tem em comum com o laboratório do Butantan?

    Não misture as coisas. O laboratório do Butantan estava depreciado já há muitos anos, posso dizer porque eu vi o laboratório, conheci quem trabalhou lá e passo por ali diariamente, nunca disse que precisava de "uma iluminação mais maneira" ou qualquer coisa que o valha.

    Outra confusão tua é a de que é preciso resolver um problema de cada vez no serviço público, para o parto humanizado não é preciso a contratação de um profissional sequer. Apenas um treinamento, coisa que, como o link que te mandei diz, a ONU aconselha.

    Ao dizer que faço terrorismo, você me compara a um terrorista, ou estou ficando louco? Questão de semântica colega.

    Para mim, terrorista é criminoso, não sei sua opinião a respeito.

    Sua lógica, ao meu ver, está imbuída de preconceito, mas vou dar um exemplo:

    Este blog é de graça, você vai exigir menos coerência da minha parte por isso?

    Claro que não. Ainda bem que não. Porque qualidade não tem nada a ver com preço.

    Isso para não dizer que o serviço público é pago. Por todos nós.

    []'s

  8. Anônimo says:

    Caro Imprença,

    "Quem usa serviço público deveria ter direito ao mesmo serviço oferecido por um hospital quando o assunto é parto, operação e humanização do serviço público. Quem diz isso é a constituição do teu país, não eu."

    A Constituição manda muita coisa, ter educação, salário digno etc. São princípios. Apenas isso. Saúde digna também. Não há regulamento ou norma que diga que o tal "parto humanizado" tenha prevalência sobre o combate ao risco de uma infecção hospitalar que pode matar um vizinho que não tem nada a ver com a história. O que é mais humano, meu chapa???

    E qual o conceito de parto humanizado? Ver o parto? Ah, por que não oferecer mais? Café expresso pro novo papai. Que tal? Certamente fica mais humanizado ainda. E aí? Um charuto cubano e champanhe para ele comemorar? Qual o limite da humanização? A partir de quando passa ser desumano (pois o que não é "humanizado" é "desumanizado"). Esperar lá fora é desumano? Estranho...

    Ah, antigamente a Constituição mandava o país ter juros de 12% ao ano, o que foi retirado por ser ridículo. Em tempo.

    A propósito, concordo plenamente com sua frase, que citei entre aspas. Torço para que um dia seja realidade.

    2) Comparei parto com Butantã para mostrar que é tão ridículo lutar por um "parto humanizado" em um precário hospital público diante de tantos problemas como lutar por uma iluminação nova em um local com instalações elétricas precárias. Isso se chama analogia.

    3) Ao dizer que você faz terrorismo, te chamo de de terrorista, obviamente. Há terrorismo com armas, com bombas, com idéias, há até terrorismo eleitoral, sabia?

    4) Seu blog é de graça, você pode falar o que pensa, até mesmo impedir que esta mensagem minha seja publicada e eu nem posso reclamar e nem chamar isso de censura. O blog é seu. O que é público precisa atender a todos igualmente medindo riscos e evitando acidentes.

    Até mais e bom fim-de-semana.

    Luiz Cláudio

    P.S.: Talvez comente o texto do Irã. Tem certas coisas tão óbvias que qualquer um vê, mas você não. Tudo bem.

  9. Luiz Cláudio,

    Bom descanso para você...

    Comentá lá se quiser... senão também... continuarei respirando...


    Leia o post de amanhã, você vai gostar de me xingar, certamente.

    E depois me envia o link do teu blog, para colocar no espaço de parcerias,

    []'s

    ps: como pôde ver {{e sei que já esperava por isso}} não censuro nem bloqueio comentários, mesmo os mais agressivos...

    Analogia... vou pesquisar sobre o assunto...

  10. Pensei que o seu blog fosse critico E imparcial. Mas enganei-me. Não passa de mais um militante a soldo do PT.
    Desligo-me de sua rede, até nunca mais.

  11. Anônimo says:
    Este comentário foi removido por um administrador do blog.
  12. Saco vazio, palhaço idiota preconceituoso!

    Aliais, requisitos básicos para ser "jornalista" nas organizações Globo!

Novo Comentário:

Quem fala o que quer ouve o que não quer. Se você estivesse certo não comentaria de forma anônima.
Sempre que o autor responder a resposta estará dentro do comentário separada por {{ resposta do autor }}.

O comentário requer registro pelos motivos explicados no Post Esclarecimentos